Inflação sobe menos para consumidores da terceira idade

O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), que mede a variação da cesta de consumo de famílias majoritariamente compostas por indivíduos com mais de 60 anos de idade, registrou no quarto trimestre (outubro, novembro e dezembro) de 2014, variação de 2,02%.

Com o resultado, o IPC-3i fechou o ano com alta acumulada de 6,62%. O resultado é 0,25 ponto percentual inferior à variação do Índice de Preços ao Consumidor para a totalidade do país (IPC-BR). O grupo inclui consumidores com renda de até 33 salários e registrou no ano passado alta acumulada de 6,87%.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (14), pelo Instituto Brasileiro e Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV), e indicam que, na passagem do terceiro para o quarto trimestre de 2014, a taxa do IPC-3i registrou acréscimo de 1,56 ponto percentual, variando de 0,46% para 2,02%.

Todas as oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação, com a principal contribuição partindo do grupo alimentação, que chegou a subir entre um período e outro 3,54 pontos percentuais: de -0,62% para 2,92%. O item que mais influenciou o comportamento desta classe de despesa foi hortaliças e legumes, que chegou a variar 21,36%, no quarto trimestre, ante uma variação negativa (deflação) de 25,29%, no trimestre anterior – alta de 46,65 pontos percentuais.

Contribuíram também para o acréscimo da taxa do IPC-3i a variação dos grupos habitação (1,22% para 1,94%); transportes (0,51% para 1,96%); educação, leitura e recreação (0,07% para 2,94%); vestuário (-0,59% para 2,16%); comunicação (-1,08% para 0,85%); saúde e cuidados pessoais (1,07% para 1,47%) e despesas diversas (0,30% para 0,56%).

Fonte: Agência Brasil

tags: infação, terceira idade, IPC-3i, Instituto Brasileiro e Economia da Fundação Getulio Vargas



<< Voltar

 

Av. Coronel Stuck, 212 - Centro - Jardim/MS - 79240-000 - (67) 3251-1366